PULSEIRA HOSPITALAR EM PACIENTES: POR QUE É IMPORTANTE SEGUIR OS PROTOCOLOS?

A correta identificação de um paciente através da pulseira hospitalar em um leito ocorre para que o processo de triagem do mesmo seja feita de forma correta e segura, evitando possíveis erros ou enganos que possam lesá-lo.


Falhas no momento da triagem do paciente podem ocorrer, desde o processo de admissão até a alta em todas as fases do diagnóstico e do tratamento.

Algumas variáveis podem contribuir para isso acontecer, como:

- Mudança de leito;

- Estado de consciência do paciente;

- Setor ou profissional dentro da instituição

- Circunstâncias do ambiente.


CONSEQUÊNCIAS GRAVES EM ERROS DE DADOS OU IMPRESSÃO INSUFICIENTE DA PULSEIRA HOSPITALAR


Entre 2003 e 2005, The United Kingdom National Patient Safety Agency apresentou cerca de 250

incidentes com pulseiras hospitalares com informações erradas. A má identificação de pacientes foi citada em mais de 100 análises de causa raiz realizadas pelo The United States Department of Veterans Affairs (VA) National Center for Patient Safety, entre 2000 e 2003.


Todos os anos, mais de 800 pacientes são transfundidos com bolsas destinadas a outros pacientes, sendo que 3% dos casos os pacientes acabam indo a óbito.


Em cada 1.000 pacientes que recebem transfusões de sangue ou de hemocomponentes, um indivíduo recebe a destinada a outra pessoa. Em dois terços dos casos, o motivo é a identificação errada da bolsa.


Uma pesquisa feita com relação a aceitabilidade dos pacientes com relação ao uso da pulseira hospitalar, ela demonstrou que grande parte dos pacientes é favorável e considera importantíssimo o uso obrigatório da pulseira hospitalar, principalmente após receberem os dados de consequências que podem ocorrer caso não exista a identificação, seja incorreta ou insuficiente/deficitária.

Pulseira hospitalar deve ser aplicada com dados relevantes do paciente, como nome e data de nascimento.

QUEM DEVE RECEBER A PULSEIRA HOSPITALAR PARA IDENTIFICAÇÃO?


A identificação de paciente através da pulseira hospitalar deverá ser utilizado em todos os pacientes internados (adultos, pediátricos e neonatos) e em todas as unidades de prestação de cuidado onde o paciente esteja internado. Já em casos de atendimento laboratorial ou emergencial, a identificação deverá ser feita através de etiquetas adesivas.


A identificação é feita através de uma pulseira hospitalar, placa de identificação à beira do leito ou etiqueta autoadesiva contendo no mínimo DOIS identificadores, a saber: nome completo do paciente e data de nascimento, podendo também conter o número de registro na instituição, a fim de que o cuidado seja prestado a pessoa correta. Podem ser inseridos outros dados diversos, como sexo, convênio, nome de parente e etc.


ONDE APLICAR A PULSEIRA HOSPITALAR NO PACIENTE?



Para assegurar que o paciente será devidamente identificado com a pulseira hospitalar, o material deverá ser na cor branca. Preferencialmente, ela deverá ser colocada no membro superior direito. Caso não seja possível, a sequência de escolha deverá ser a seguinte: membro superior esquerdo, membro inferior direito e membro inferior esquerdo.


EM QUE MOMENTO O PACIENTE DEVERÁ RECEBER A PULSEIRA HOSPITALAR?


A identificação dos pacientes através da pulseira hospitalar deverá ser feita na admissão do mesmo e a todo o momento em que ele estará internado na instituição, como falado anteriormente.

No caso de recém-nascidos, o cuidado deverá ser maior. Deve conter o nome da mãe, registro do prontuário e outras informações padronizadas pelo HU.


CONTE COM A TECLABEL PARA IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE PULSEIRAS HOSPITALARES!


Fornecemos impressoras e pulseiras hospitalares de alto desempenho para hospitais e clínicas. Contamos com assistência técnica altamente capacitada para nossos clientes, com atendimento presencial, acesso remoto e por telefone.


Faça seu orçamento clicando aqui ou através do telefone (11) 2182-9400.


Teclabel Soluções: Resultado e qualidade. A solução para sua empresa.